Cole Entrevista #5: Bianca Carvalho

, em terça-feira, 19 de julho de 2016 ,
Bookmark and Share

1. Conte um pouco sobre você.
A Bia é libriana, ou seja, completamente indecisa... sou muito sentimental e emotiva, choro até em desenho animado... Sou formada em marketing, trabalho como tradutora e me dedico 24h por dia aos livros. Adoro animais, sou muito bem casada – graças a Deus – e tenho a melhor família do mundo. Sou viciada em filmes loucos, não lineares, rock de todos os tipos e livros que me façam refletir. Também sou viciada em doces, batata-frita e pessoas, na diversidade de personalidades, nas nuances e camadas (por isso amo tanto construir personagens).


2. Como você entrou no universo dos escritores?
Desde pequena minha mãe me inseriu no mundo dos livros, me apresentando a magia das histórias. Fiquei fascinada pelas palavras e comecei a escrever meus próprios textos. Com 14 anos, escrevi um livro, mas que deixo guardado na gaveta – quem sabe um dia não o reescreva?

3. O que te inspira para escrever?
Música, principalmente. Mas costumo brincar que minha inspiração é tipo o Mundo de Bob, volta e meia me surge o plot de uma história nova, que guardo, para que espere sua vez de ser contada. Eu não paro um minuto. Até quando estou cozinhando, estou pensando em cenas, em personagens. Acho que respiro minha profissão, e é por isso que amo tanto o que faço.

4. Fale um pouco dos seus livros já lançados.
A Trilogia das Cartas é uma série de suspense, com romance, onde 3 mulheres com dons extraordinários recebem cartas de sua avó falecida e clarividente, contendo, cada uma, um último pedido especial. Seguindo esse desejo da avó, elas acabam sendo inseridas em situações completamente inusitadas, onde desvendarão mistérios e acabarão, é claro, se apaixonando. Já Horas Noturnas é um épico, um Dark Romance, onde uma jovem de 19 anos, no século XIX ajuda o pai a desvendar o caso de um assassino que deixa charadas com poesias de Edgar Allan Poe. Para ajudá-los, surge um caçador de assassinos sedutor, mascarado e misterioso, que acaba se envolvendo com Maryanne.


5. Com uma trilogia completa, uma série em andamento e um livro individual publicados, o que é mais difícil de escrever: livro solo ou trilogia/série?
Escrever série, com certeza é um trabalho árduo. Porque a cada livro você precisa se superar para manter o leitor preso à sua história. Apesar disso, há uma facilidade para se inserir no universo quando já se conhece o local onde se está pisando, em um segundo livro, por exemplo. Um livro único há também a dificuldade de se desapegar dos personagens. Os de Horas Noturnas, por exemplo, até hoje me inspiram e vivem aparecendo em pensamentos e sonhos, doidos para contar mais histórias. Mas por enquanto estou me dedicando a outros trabalhos, e eles vão ter que esperar J

6. Você escreve predominantemente livros contemporâneos (Trilogia das Cartas e série Porto das Águias), mas Horas Noturnas é de época. Porque você escolheu escrever nessa época? Foi mais difícil que os outros livros?
Quando eu imagino uma história, ela vem completa. Com cenário, época, personagens... toda a ambientação. Na minha mente, imaginei Horas Noturnas toda em sépia, uma coisa meio gótica e sombria, que só uma Inglaterra vitoriana poderia proporcionar. Isso acontece também com a localização. Muita gente me pergunta por que escrevi alguns livros fora do Brasil, mas foi exatamente por isso, porque a trama vem pronta, até com o local onde vai passar. Acho que um livro de época sempre é mais complicado porque exige uma pesquisa mais profunda. Mas todo livro tem sua dificuldade, e Horas Noturnas foi um presente para mim, ele veio completo na minha cabeça, tanto que o escrevi em 30 dias. Claro que a pesquisa e a lapidação foram mais longas, mas o texto, em si, foi criado muito rápido.

7. Há novos livros em andamento? O que podemos esperar para o futuro?
Sempre há muitos livros em andamento. Podem esperar muito romance, suspense e mocinhos apaixonantes <3 span="">


8. Escutamos por aí que as histórias têm vida própria. Você já se pegou mudando completamente o texto porque seus personagens exigiram mudanças quanto a sua ideia inicial?
Sim, claro. Eles sempre teimam em achar que podem comandar o show ¬¬

9. Se sim, qual personagem de qual livro fez isso com você?
Sabores Mortais foi reescrito 4x. Sebastian e Tatianna cismavam em querer comandar a história, e eu não deixava, ou seja, tudo desandava. Quando os ouvi e deixei que conduzissem a trama, ficou do jeitinho que eu queria.

10. Eu gosto muito da Cailey (Versos Sombrios), da Maryanne (Horas Noturnas) e da Mirella (Porto das Águias). Você tem alguma favorita entre as suas protagonistas? Qual é mais Bia?
A favorita é Cailey, sem dúvida, porque ela é a mais cheia de camadas. Foi uma delícia criá-la e vê-la amadurecer ao longo da trama. Mas nenhuma delas é Bia. Todas têm um pouco de mim, mas eu crio minhas personagens totalmente da imaginação. Podem ter gostos parecidos ou dizerem algo que eu diria, mas a construção é totalmente inédita.

11. E dentre os mocinhos? (Meus preferidos são o Diego - Porto da Águias - e o Rowan - Jardim de Escuridão.)
Jayce. Não tenho nem que pensar para responder essa pergunta. Gosto de seu jeito íntegro e sua luta por justiça. Ele protege os que ama e tem suas fragilidades, que demonstra sem medo.

12. Quais dicas você daria para quem quer escrever profissionalmente?
Ler muito e diversos estilos. Não adianta ler mil livros de fantasia, só porque quer ser escritor do gênero. Precisa conhecer outras escritas, outros mundos, porque tudo é aproveitável. Outra coisa importante é ter maturidade para avaliar se seu material está pronto. Eu escrevi vários livros antes de olhar para Jardim de Escuridão e pensar: ok, está publicável. E uma última dica: revise e edite seu texto mil vezes se for preciso. Corte cenas desnecessárias sem medo. Use dicionários para trocar palavras repetidas... mexa na história se achar que deve. 20, 30x, mas saiba parar. Quando achar que está legal, envie para alguém ler. Aceite sugestões e críticas que ache pertinentes. E trabalhe muito. Divulgar é essencial!


13. Que tipo de literatura te atrai mais?
Sou fã de suspense e romance. Eu escrevo o que gosto de ler, que é algo que eu acho muito importante.

14. Que autor(es) serve(m) de fonte de ideias para você?
Nora Roberts, Stephen King, Sarah Addison Allen, Sidney Sheldon e Cassandra Clare.

15. Tem algum livro que você leu e não esquecerá jamais?
O Iluminado. Já li 3 vezes e nunca me canso dele. Mas posso citar também Frankenstein e Jane Eyre. Maravilhosos, todo mundo que quer escrever deveria ler. São aulas de escrita.

16. E que personagem(ns) você considera inesquecível(eis)?
Tracy Whitney, de Se Houver Amanhã, do Sidney Sheldon. Abra, de Doutor Sono, do Stephen King. Lancelote, de As Brumas de Avalon, de Marion Zimmer Bradley.

17. Deixe uma mensagem aos Colecionadores de Histórias.
Que vocês continuem lendo e disseminando o amor pela literatura por aí. Que cada leitura seja uma experiência única e que cada frase mude um pouquinho a vida de vocês dia após dia, livro após livro.

Comentou? Preencha o formulário e participe do Top Comentarista de Julho.

Nenhum comentário :

Postar um comentário