#358: As Sete Irmãs – As Sete Irmãs I – Lucinda Riley

, em sábado, 14 de maio de 2016 ,
Bookmark and Share

Editora: Novo Conceito
Páginas: 560
Ano: 2014

Sinopse (Skoob):
"Meus dedos tocaram a selenita em meu colar. Tudo o que podia imaginar era que ele foi mandando comigo, como uma espécie de recordação, talvez por minha mãe, quando Pa Salt me adotou. Ele dissera, quando me deu o presente, que havia uma história interessante pode trás daquela joia... Ele esperava que eu perguntasse. E eu desejava com todo o coração, naquele momento, ter perguntado."
Agora que Maia e suas irmãs perderam o pai, cada uma delas tem em suas mãos a decisão de buscar ou não a verdade sobre sua família biológica. Maia não resiste ao chamado do passado e é atraída até o Rio de Janeiro, onde, auxiliada pelo escritor Floriano, irá mergulhar em uma história quase centenária.
Nos anos 20, uma paixão devastadora entre uma aristocrata brasileira e um escultor francês é sufocada pelas convenções sociais. Uma pequena placa de pedra-sabão eternizou o amor de Izabela e Laurent, selando o destino de Maia.
A escritora best-seller Lucinda Riley mergulhou na cultura e na história do nosso país para conhecer de perto os mitos e verdades sobre a construção de um dos mais emblemáticos monumentos à nossa fé: o Cristo Redentor. O resultado dessa experiência é uma trama surpreendente e sensual, recheada de elementos exóticos. A partir do momento em que, junto com Maia, aterrissamos no Rio de Janeiro, não vamos nos separar dela enquanto não decifrarmos os segredos de seu passado.
E esse é apenas o começo da viagem.


Maia D’Apliése foi criada praticamente desde o seu nascimento por Pa Salt, um homem rico e culto, que a levou para Atlantis – um castelo isolado às margens do Lago Léman – e lá construiu uma família para si e para ela. Ele adotou seis meninas no espaço de alguns anos, todas recém-nascidas, e as nomeou segundo a constelação das Sete Irmãs das Plêiades. Elas vieram de todos os cantos do globo terrestre e nenhuma sabe suas origens.
Porém Pa Salt acaba de falecer e, em seu testamento, deixou uma carta para cada uma das filhas com pistas sobre a origem delas e o local onde devem iniciar suas buscas. Mas ele deixou claro que elas podem pesquisar apenas quando se sentirem prontas, se quiserem.
Maia está extremamente abalada com a morte do pai e o fato de ele ter sido sepultado no mar sem que nenhuma das filhas estivesse presente para se despedir. Ela também não sabe se quer procurar suas origens, porém a ligação repentina de uma pessoa do seu passado a faz fugir para o local indicado por Pa Salt em suas pistas.
Sua fuga a leva para o Rio de Janeiro, cidade com a qual ela já tem alguma ligação pois é tradutora e seu trabalho mais recente foi um livro de Floriano Quintelas, um escritor carioca com quem Maia se corresponde por e-mail para deixar o trabalho impecável.
Seguindo as pistas que o pai deixou e com a ajuda de Floriano, que é historiador, Maia mergulha na história de Izabela Bonifácio.
Brasileira filha de imigrantes italianos, a jovem vive no Rio no ano de 1927. Sua família tem dinheiro, porém não é muito bem aceita na sociedade por ser burguesia cafeeira. Antônio, pai de Bel, quer vê-la casada com alguém importante e dá um baile grandioso no aniversário de 18 anos da filha. Na festa, Izabela conhece Gustavo Aires Cabral, um homem gentil que logo se interessa por ela.
Porém Bel quer viver, conhecer o mundo. A convite de uma amiga, ela consegue ir para Paris com a família de Heitor da Silva Costa, o responsável pela construção do Cristo Redentor. Em Paris, Izabela conhece um pouco da vida dos artistas franceses e Laurent Brouilly, o assistente de Paul Landowski – que esculpiu o rosto e as mãos do Cristo.
Que sentimentos permeiam as vidas dessas duas mulheres? Que segredos elas guardam? Para onde suas escolhas as levaram? Descubra lendo As Sete Irmãs.

Eis aqui mais um romance maravilhoso da Lucinda Riley. É o terceiro livro dela que leio e continuo impressionada com como ela consegue escrever duas histórias separadas e que se intricam de forma magistral.
Há vários mistérios na narrativa que me deixaram bem curiosa e terminei a leitura ainda com dúvidas e teorias sobre algumas coisas.
Pa Salt é um personagem presente o tempo todo, só que não dá para conhece-lo, pois as únicas informações sobre ele que o leitor recebe vêm de Maia e ela mesma assume que, pelo jeito, não conheceu o pai nem na superfície de seu ser.
Maia e Izabela têm uma característica em comum que é quase unicamente o que as define: são extremamente leais à família. Ao mesmo tempo, elas tomam rumos diferentes, mas isso se dá mais – eu acho – por viverem em épocas 80 anos distantes. (Consigo ver Maia tendo as mesmas atitudes de Bel se vivesse em sua época e vice-versa.)
Posso dizer que meu personagem favorito mesmo é Floriano. Ele é empolgado, gosta de aproveitar as coisas boas da vida, mesmo já tendo sofrido um tanto. Mas, avaliando agora, acredito que ele poderia ter sido um pouco mais aprofundado.
A verdade é que eu adorei esse livro, mas espero mais dos próximos. Tem duas irmãs em específico que acho que serão as mais interessantes. E espero que as minhas dúvidas que restaram sobre Pa Salt sejam respondidas nos próximos volumes e que Maia não desapareça só por sua história já ter sido desvendada.

Nota: 4,5/5.

Série As Sete Irmãs:
  1. As Sete Irmãs
  2. A Irmã da Tempestade
  3. The Shadow Sister – será lançado nos EUA em novembro
  4. The Pearl Sister (está sendo escrito; os demais volumes da série – serão 7  ao todo segundo o site da Lucinda – ainda não têm nomes).


Comentou? Preencha o formulário e participe do Top Comentarista de Maio.

Nenhum comentário :

Postar um comentário