#356: A Hospedeira – Stephenie Meyer

, em sexta-feira, 6 de maio de 2016 ,
Bookmark and Share

Editora: Intrínseca
Páginas: 557
Ano: 2009

Sinopse (Skoob):
Nosso planeta foi dominado por um inimigo que não pode ser detectado. Os humanos se tornaram hospedeiros dos invasores: suas mentes são extraídas, enquanto seus corpos permanecem intactos e prosseguem suas vidas aparentemente sem alteração. A maior parte da humanidade sucumbiu a tal processo. Quando Melanie, um dos humanos "selvagens" que ainda restam, é capturada, ela tem certeza de que será seu fim. Peregrina, a "alma" invasora designada para o corpo de Melanie, foi alertada sobre os desafios de viver dentro de um ser humano: as emoções irresistíveis, o excesso de sensações, a persistência das lembranças e das memórias vívidas. Mas há uma dificuldade que Peregrina não esperava: a antiga ocupante de seu corpo se recusa a desistir da posse de sua mente. Peregrina investiga os pensamentos de Melanie com o objetivo de descobrir o paradeiro dos remanescentes da resistência humana. Entretanto, Melanie ocupa a mente de sua invasora com visões do homem que ama: Jared, que continua a viver escondido. Incapaz de se separar dos desejos de seu corpo, Peregrina começa a se sentir intensamente atraída por alguém a quem foi submetida por uma espécie de exposição forçada. Quando os acontecimentos fazem de Melanie e Peregrina improváveis aliadas, elas partem em uma busca incerta e perigosa do homem que ambas amam.


A Terra foi tomada por aliens que vivem inseridos no corpo humano e, por conta disso, as pessoas não hospedeiras estão praticamente extintas.
Melanie Stryder fugiu dos Buscadores – hospedeiros com almas cujo trabalho é procurar outros humanos para hospedar – por anos, protegendo seu irmão Jamie, porém, em uma missão para procurar uma prima deles que Mel achava também estar resistindo, ela foi emboscada e capturada.
A alma escolhida para ser implantada em Melanie foi Peregrina, uma das primeiras colonizadoras e que já passou por vários mundos em sua existência. Por ter muita experiência, os Curadores – espécie de médicos – a escolheram, acreditando que ela seria forte para suplantar Mel e descobrir se havia outros humanos resistindo e onde.
O que ninguém esperava, muito menos Peregrina, era que Melanie fosse forte o suficiente para criar verdadeiras paredes em sua mente impedindo a hóspede de buscar suas memórias. Mel ainda era capaz de soterrar Peregrina com imagens para atordoa-la quando tentava se proteger.
Meses se passam com essa existência bélica até que a Buscadora que capturou Melanie volta a pressionar Peregrina pelas lembranças de sua hospedeira e até ameaça fazerem uma troca: botar Peregrina em outro corpo e assumir ela mesma o corpo de Mel.
Por conta das memórias de Melanie e suas emoções serem muito fortes, Peregrina se viu começando a amar Jamie e Jared – o namorado de Mel. Assustadas com as ameaças da Buscadora, as duas começam a se unir para se proteger. O plano de Peregrina é ir em outra cidade procurar o Curador que a pôs naquele corpo e pedir seus conselhos, porém, quando estão no meio do deserto ela termina por aceitar as ideias de Melanie e elas se embrenham na terra árida em busca do refúgio de Jeb, tio de Mel e um provável resistente.
Muitos desafios as aguardam no deserto: resistir à sede e às condições climáticas, provar para Jeb que elas não estão querendo dizimar os humanos, e, quem sabe, reconstruir uma vida com Jamie e Jared.

Quem assistiu ao vídeo do Desafio Book Jar ou já me viu falando das futuras leituras deve lembrar que A Hospedeira era o livro mais antigo pendente na estante. Não o mais antigo em idade (tenho uma edição de 19-e-lá-vai-pedrada de Os Três Mosqueteiros), mas o mais antigo em eu ganhar/comprar. Nem sei porque esperei tanto para ler, só sei que amei!
O começo é lento, a história da Peg sendo inserida e tentando suplantar a Mel de qualquer forma é um tanto arrastada, mas depois que elas vão para o deserto engrena e eu não conseguia mais largar o livro! Queria saber tudo logo e fiquei me segurando para não ler o último capítulo antes da hora.
Tudo bem que eu já sabia mais ou menos como acabava porque vi o filme uns dois anos atrás – acho –, mas o livro é bem diferente. Muito melhor, é claro.
A Peregrina é um doce e dá para perceber que ela entende de liberdade e que gostaria de dar isso para os humanos, então adoro ela. A Melanie é uma lutadora, daí né, sou fã. O Jamie é tão esperto e tão amoroso, não tem como não se apaixonar por ele e querer protege-lo de tudo. Também adoro o Jeb com seu jeitão “é do meu jeito ou leva bala”. (rsrs)
Já pelo Jared eu não me apaixonei. Vejam bem, eu gosto dele e entendo as atitudes dele e tal, mas o meu alvo de periguetagem nesse livro é o Ian, um dos humanos resistentes que, de cara não me fisgou, mas foi me conquistando com sua mudança de atitudes e seu jeito protetor.
Enfim, se você gosta de livros com um que de ficção científica pode se jogar, se você gosta de romance pode se jogar também. A história é envolvente e torci muito por Peregrina e Melanie.

(Ah! Uma vantagem: livro único! Então quem está cansado de séries vai ficar feliz! kkk)

Nota: 4,7/5 – favorito.

P.S.: Livro 5/20 do Desafio Book Jar 2016.

Comentou? Preencha o formulário e participe do Top Comentarista de Maio.

Nenhum comentário :

Postar um comentário