Anime & Mangá #06: Death Note

, em quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016 ,
Bookmark and Share

12 volumes, tendo um 13º volume que explica a construção da história de Death Note e tem uma história extra, com outro personagem, Tarô e tirinhas com os personagens da trama principal. O roteiro foi feito por Tsugumi Ohba, a arte por Takeshi Obata, e foi publicado pela JBC no Brasil. Death Note é um dos melhores mangás que já li, tem um suspense policial incrível, com pequenas pitadas de comédia.


Light Yagami, 17 anos, está entediado, assim como Ryuk, um dos shinigamis (deus da morte/espírito da morte) que deixa “acidentalmente” o caderno cair de seu mundo para o mundo dos humanos. Mas não se trata de um caderno qualquer, o Death Note apresenta instruções de uso, tais como: ao escrever o verdadeiro nome da vítima, tem que se ter em mente seu rosto, ou se a causa da morte não for especificada nos próximos 40 segundos, morrerá de parada cardíaca.

Não foi fácil para o garoto, ele precisou de uma resistência mental e manter as aparências, já que é o melhor aluno de todo o Japão. Sendo que teve a ideia de matar alguém que precisasse morrer, em seu julgamento, ou seja, um criminoso. Surgiu então o desejo de fazer justiça com as próprias mãos e assim ser o Deus do novo mundo que estava por vir. Em pouco tempo as pessoas começaram a notar a existência de um justiceiro, nomearam o defensor de Kira, que deriva de killer (assassino). Apesar do nome, Light adotou-o, ainda que não fosse de seu gosto.

Kira começa a cometer assassinatos para “entretenimento” da investigação, como se fizesse cada caso parte de um quebra-cabeça, até porque estava brincando de decidir quando e como matar. O que levou ao maior investigador do mundo, L, a se interessar pelo caso.


L passa a investigar e desvendar várias coisas, descobre que Kira está no Japão, mais possivelmente na região de Kanto. Ao usar um falso L – um criminoso condenado a morte de nome Lind L. Taylor que falava pela televisão ameaçando encontrar Kira e julgando-o mal – Light, levado pela emoção, o mata e comprova a teoria de L, que não aparece, mas mostra uma tela branca com um grande L, e somente sua voz digitalizada que faz um discurso, dizendo basicamente que irá encontrá-lo e acabar com ele. No mangá, para ficar mais interessante, enquanto L faz o discurso, Light faz a mesma ameaça e no final eles dizem ser a justiça.

Misa Amane, que enquadro como uma das personagens principais, é a namorada de Light, ela sabe de sua verdadeira identidade, dele ser Kira, o que a faz se apaixonar por ele, deixo em suspense o motivo. Soichiro Yagami, pai de Light é um excelente policial, Sayu é sua irmã mais nova e as pessoas que estão envolvidas na investigação também merecem destaque como: Tota Matsuda, Shuichi Aizawa, Kanzo Mogi, o octeto Yotsuba que é um grupo de diretores empresários que tem uma ligação com o Kira. Temos também Near e Mello que depois assumem a investigação, por razão que também não irei contar (Me desculpem, mas acho superspoiler).

Não entrei em detalhes, porque apesar do mangá ser famoso, algumas pessoas podem desconhecer e se interessarem em ler, ou assistir o anime – tem no Netflix e em outros sites –, que foi uma das melhores adaptações que já vi.



Avaliação: 5/5 (extraordinário e favorito!)

Comentou? Preencha o formulário e participe do Top Comentarista de Fevereiro. 

Nenhum comentário :

Postar um comentário