#328: Como Eu Era Antes de Você – Jojo Moyes

, em segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016 ,
Bookmark and Share

Editora: Intrínseca
Páginas: 318
Ano: 2012

Sinopse (Skoob):
Aos 26 anos, Louisa Clark não tem muitas ambições. Ela mora com os pais, a irmã mãe solteira, o sobrinho pequeno e um avô que precisa de cuidados constantes desde que sofreu um derrame. Sua vidinha ainda inclui o trabalho como garçonete num café de sua pequena cidade - um emprego que não paga muito, mas ajuda com as despesas - e o namoro com Patrick, um triatleta que não parece muito interessado nela. Não que ela se importe.
Quando o café fecha as portas, Lou é obrigada a procurar outro emprego. Sem muitas qualificações, consegue trabalho como cuidadora de um tetraplégico. Will Traynor tem 35 anos, é inteligente, rico e mal-humorado. Preso a uma cadeira de rodas depois de ter sido atropelado por uma moto, o antes ativo e esportivo Will agora desconta toda a sua amargura em quem estiver por perto. Sua vida parece sem sentido e dolorosa demais para ser levada adiante. Obstinado, ele planeja com cuidado uma forma de acabar com esse sofrimento. Só não esperava que Lou aparecesse e se empenhasse tanto para convencê-lo do contrário.
Uma comovente história sobre amor e família, Como eu era antes de você mostra, acima de tudo, a coragem e o esforço necessários para retomar a vida quando tudo parece acabado.



Louisa Clark mora em uma pequena casa numa pequena cidade no interior da Inglaterra com os pais, o avô, a irmã e o sobrinho. Ela namora o mesmo cara há sete anos e trabalha no mesmo café há seis. Se sente feliz com sua vida como é e não tem perspectivas de mudar. Até que o café fecha e ela se vê desempregada.
Como é a maior fonte de renda da sua casa e, basicamente, mantém toda a família – apesar de a irmã e o pai também trabalharem –, ela se vê desesperada e pressionada a encontrar logo um novo emprego.
Lou não gosta de cuidar de pessoas que precisam de assistência para tudo – ela, por exemplo, não ajuda muito a mãe a cuidar do avô que sofreu um derrame –, porém a melhor oportunidade que lhe aparece é para cuidar de um tetraplégico. Segundo a mãe dele, Camilla Traynor, que é quem faz a entrevista com Lou, o trabalho não inclui os cuidados básicos de higiene, pois Nathan – um enfermeiro treinado – faz essa parte.
Louisa termina aceitando o cargo e conhece William Traynor. Will tem 35 anos e está tetraplégico há dois, desde que foi atropelado por uma moto em uma manhã chuvosa de Londres. Ele mora num prédio anexo à casa dos pais e vive isolado ali, saindo apenas para consultas médicas.
Logo de cara, eles não se dão bem. Will sabe porque que a mãe contratou Lou e não se interessa em conhece-la. Lou, que não tem nenhum conhecimento de cuidados médicos, se vê arrastada para dentro de uma situação com a qual não sabe lidar, mas que precisa enfrentar.
Eles passam as primeiras semanas pisando em ovos, até que um dia Lou explode e percebe que tudo que Will quer é alguém que o trate como uma pessoa normal. Com o tempo eles começam a se conhecer, por insistência dela, e passam a entender um ao outro melhor do que qualquer outra pessoa. E isso vai mudar a vida de ambos para sempre.

Sorri, me emocionei, chorei, fiquei devastada e amei.
Lou era uma jovem acomodada, que passou a vida sendo a segunda em importância na casa, pois apesar de ser a mais velha, sempre foi ofuscada pela irmã que era mais inteligente. Porém, ao trabalhar com Will ela descobre que um mundo muito mais vasto a espera. Tentando ajuda-lo a viver melhor, Lou passa a pesquisar coisas e muda sua maneira de ver o mundo e até a si mesma.
Will é determinado, insatisfeito e muito ranzinza. O que é perfeitamente compreensível dado que ele era um homem superativo e aventureiro e de repente está preso a uma cadeira, mal movendo um dos braços. Porém, ele também é inteligente. E mandão. Sarcástico. E também muda durante sua convivência com Lou, deixando a raiva e a dor de lado e aproveitando um pouco do que pode agora.
Um personagem de quem não gosto nada é Patrick, namorado da Lou. Eles simplesmente não combinam. E, mesmo depois de sete anos, ele não a conhece nem um pouco.
A família dela também não me é muito agradável. O pai faz comentários depreciativos sobre Lou que simplesmente me irritam. E a irmã é muito autocentrada. Mas, no fim, eu terminei gostando um pouco deles.
Também não entendo muito o comportamento da família do Will e, mesmo vindo a entender tudo pelo que eles estavam passando, ainda terminei o livro sem gostar muito deles.
Sofri muito, mas amei a história. Sabe aquele tipo de coisa que te deixa triste, mas é lindo e emociona? Pois é. Acho que é assim que eu definiria Como Eu Era Antes de Você: tristemente lindo.

Nota: 5/5 – favorito.

Duologia (até onde se sabe, é o que é):
Como Eu Era Antes de Você

Depois de Você

Comentou? Preencha o formulário e participe do Top Comentarista de Fevereiro. 

Nenhum comentário :

Postar um comentário