#274: Colin Fischer – Ashley Edward Miller e Zack Stentz

, em segunda-feira, 24 de novembro de 2014 ,
Bookmark and Share



Editora: Novo Conceito
Páginas: 176
Ano: 2014

Sinopse (Skoob):
Resolvendo o crime. Uma expressão facial por vez. O ano letivo de Colin Fischer acabou de começar. Ele tem cartões de memorização com expressões faciais legendadas, um desconcertante conhecimento sobre genética e cinema clássico e um caderno surrado e cheio de orelhas, que usa para registrar suas experiências com a MUITO INTERESSANTE população local. Quando um revólver dispara na cantina, interrompendo a festinha de aniversário de uma das garotas, Colin é o único que pode investigar o caso. Está em suas mãos provar que não foi Wayne Connelly, justamente aquele que mais o atormenta, que trouxe a arma para a escola. Afinal de contas, a arma estava suja de glacê, e Wayne não estava com os dedos sujos de glacê…


Colin Fischer é um garoto muito inteligente, que enxerga o mundo de forma literal e lógica e não gosta de ser tocado. Ele está começando o colegial e a escola não é nada fácil.
Não é só por ele ser um sabe tudo que ele tem problemas. É porque ele tem Asperger e os colegas dele não o entendem.
Colin não tem amigos. A pessoa mais próxima dele é Melissa Greer, que o trata com igualdade, respeita seu espaço e fala com ele amigavelmente. Os outros alunos ou o ignoram ou zombam e agridem ele. Um dos principais zombadores é Wayne Connelly.
Durante um almoço ainda na primeira semana de aulas, uma arma é disparada na cantina e as suspeitas caem todas sobre Wayne. Só que a arma estava suja com o glacê do bolo de aniversário de Melissa e Colin tem certeza que Wayne não pode ser quem levou a arma.
A polícia não se empenha muito em achar outro culpado, por causa do histórico de Wayne, mas aquilo é errado porque vai contra os fatos, segundo a visão de Colin, então ele resolve provar a inocência do colega e encontrar o verdadeiro culpado.

Apesar de ser ficção, eu gosto muito de ler livros sobre Asperger, Autismo e outros transtornos, pois gosto de entender como as pessoas que sofrem com eles vivem e se portam perante a sociedade, e também sobro como trata-los caso eu encontre ou passe a conviver com alguém que sofra de algum transtorno.
Colin me encantou, e aqui me refiro ao personagem e à obra como um todo. O livro é contado pelo ponto de vista do Colin, então dá para acompanhar as mudanças de seu pensamento, como ele muda de atenção de um assunto para outro e como ele encara tudo de forma muito literal e lógica. Fica mais fácil entender que ele tem sentimentos sim, mas ele sente de forma diferente das pessoas “normais”.
A obra é leve e divertida, assim é mais fácil agradar a públicos de idades variadas, e o mistério que Colin – um garoto de 14 anos – se propõe a resolver atrai os mais novos. Apesar de leve, o livro mostra a relação de Colin com os colegas da escola, com o corpo docente e com seus pais e seu irmão mais novo, além de abordar questões de ciúme entre irmãos e de como os pais têm que lidar com um filho que não podem tocar livremente.
Acredito que esse é um daqueles livros que deve ser lido por todo mundo, e como é pequenininho, é bem rápido de ler.

Nota: 5/5 – favorito!

P.S.: Colin Fischer termina de forma que deixa praticamente claro que tem continuação, mas não encontrei nenhuma informação sobre um segundo livro. Se alguém souber de algo nesse sentido, diz aí.


Comentou? Preencha o formulário e participe do Top Comentarista de Novembro.

Nenhum comentário :

Postar um comentário