#263: Northern Lights – Nora Roberts

, em segunda-feira, 29 de setembro de 2014 ,
Bookmark and Share

*Livro digital*
*Livro em inglês*

Sinopse (Skoob):
Nate Burke, a Baltimore police detective, blamed himself for the death of his partner in a shootout, and the resulting anger and grief sent him into a depression so dark and deep he thought he would never climb back out. Then Nate decides to accept the position of police chief in the small town of Lunacy, Alaska, and it seems as if life is giving him one more chance. Things are certainly different in Lunacy, and Nate begins to enjoy his encounters with the town’s colorful inhabitants, especially bush pilot Meg Galloway. The unexpected romance that slowly develops between Nate and Meg becomes quite complicated, however, when the body of Meg’s father, who disappeared in 1988, is found in an ice cave, and Nate has to try to keep his new love safe from a cold-blooded murderer who is willing to kill again to keep old secrets safely buried. RITA Award-winning and New York Times best-selling Roberts beautifully captures the rugged splendor of Alaska, and her casto f uniquely endearing secondary characters adds just the right touch of quirky humor to her splendidly entertaining, sexy, and suspenseful romance about two tough yet vulnerable people.


Ignatious Burke era detetive na polícia de Baltimore, até que perdeu seu parceiro e foi gravemente ferido. Depois disso, ele entrou em uma espiral de depressão que culminou com Nate pedindo demissão da polícia de Baltimore e aceitando o cargo de Chefe de Polícia de Lunacy, no Alaska. Ele acredita que lá, em uma pequenina cidade, poderá ter uma vida mais tranquila e se recuperar.
Lunacy é realmente pequena. Daquele tipo de cidade em que todos se conhecem e que os novos moradores são vistos com desconfiança. Principalmente no caso de Nate, já que muita gente do conselho da cidade não queria a contratação de um forasteiro para assumir a polícia. Porém a prefeita insistiu na ideia e conseguiu que ele fosse contratado.
É a prefeita Hopp que recebe Nate e o apresenta a cidade, além de dar um breve explicação de quem é quem. Ela o leva para se instalar no The Lodge, o hotel da cidade, dirigido por Charlene Hidel, uma mulher que dá em cima de todos os homens que chegam à cidade.
Olhando da janela do quarto que passaria a ser seu por um bom tempo, Nate vê uma mulher em uma parca vermelha e fica desnorteado com a visão. Pouco tempo depois, ele descobre que ela é Meg Galloway, uma piloto de monomotor – o único meio de chegar a Lunacy – e filha de Charlene.
Meg perdeu o pai na adolescência, quando ele viajou para Anchorage depois de uma briga com Charlene e nunca mais voltou. Desde então, a situação entre mãe e filha foi de mal a pior. Meg não entende a mãe e Charlene entende a filha menos ainda.
O que ninguém sabe, mas toda a cidade descobre pouco tempo depois da chegada de Nate é que Pat Galloway está morto há 17 anos, praticamente desde o momento em que foi embora. Seu corpo ficou em uma caverna gelada no famoso No Name, a montanha próxima à Lunacy muito procurada por escaladores. A descoberta do corpo de Pat muda a vida de cidade em 180º.

Sim, sim. É mais um dos livros da Nora que não é tão novo assim, mas ainda não saiu no Brasil. Quem quiser fazer campanha para ser lançado aqui, eu endosso com o maior prazer!
Nate é apaixonante! Daqueles caras soturnos, que não se abrem muito e você só consegue ver que ele está sofrendo e quer ajudar. Ainda sendo fechado sobre o seu passado, ele é atencioso e um policial nato, nasceu para servir e proteger. Acho que intenso é a melhor palavra para descrevê-lo. (Sim, estou totalmente sendo uma piriguete literária nesse momento!)
Meg é muito independente e segura de si. Ela leva sua vida do jeito que lhe agrada e vai direto ao ponto quando quer algo, porém se preserva emocionalmente em decorrência de ter sido abandonada pelo pai. Pelo menos, é assim que eu entendo a personagem.
Os personagens secundários são um espetáculo à parte, com todas aquelas figuras típicas das cidades pequenas: o figurão que se acha o dono da cidade, o bêbado contumaz, os brigões e outros. Além deles, tem o próprio Pat Galloway, que está em quase todos os capítulos por meio de seu diário.
O suspense é intrigante, daqueles cheios de suspeitos e vários deles com condições e motivos para matar Pat. E ainda tem a dificuldade de investigar um crime ocorrido há quase duas décadas e cujas provas não competem à jurisdição de Lunacy.
Dúvidas de que eu indico? Claro que não! Corram ler!


Nota: 5/5 – favorito!

Nenhum comentário :

Postar um comentário