Artigos de Colecionador #5 + Estão Lendo Lá Fora #5

, em quarta-feira, 8 de janeiro de 2014 ,
Bookmark and Share

Conselhos para quem pretende começar a ler em Inglês

(ou outras línguas que não a pátria, o esquema é o mesmo, né)


Nossa Mestra Jedi, capitã do navio, fêmea-alfa da alcateia, etc, etc, Camila Araújo, comentou comigo esses dias sobre a confecção de uma listinha de livros para quem deseja começar a se aventurar a ler em Inglês. Como eu não consigo fazer nada que me mandam fazer sem antes reavaliar a ideia, incrementar desnecessariamente e acabar escrevendo alguma coisa completamente diferente do original, a coisa não vai se manifestar como uma lista. Desculpa aí, chefa!

Para começar, ler em Inglês ou qualquer língua diferente da sua língua pátria é um exercício muito similar ao desenvolvimento do hábito de ler em Português, mesmo. É questão de pegar textos para ler e encarar a leitura de frente. Procurar o significado das palavras que não conhece (e não consegue tirar do contexto), persistir até entender o significado - enfim, da mesma forma que todos nós aprendemos a ler durante a série de alfabetização e é válido para qualquer língua. Dito isso, meu primeiro conselho é: PERSISTÊNCIA! Ninguém aprende nada por osmose/difusão.

Focando um pouco na leitura em Inglês (porque foi o que a presidenta mandou e tal), algumas observações. O Inglês, de modo geral, é uma língua canibal, que saiu absorvendo muita coisa de muitas outras línguas ao longo dos séculos. Apesar de ser originalmente germânica, tem uns pedaços de Francês, Alemão, Gaélico, Espanhol, gente, até Latim é usado comumente em Inglês. E não da forma adaptadinha que temos no bom e velho Português; nããããão, o Inglês declina palavras latinas bonitinho! Por exemplo, eles usam "genius" (que significa isso mesmo que você está pensando) no singular e, apesar de ser aceito o plural "geniuses", não é nem um pouco incomum que mudem o número mudando a terminação para "genii".

E o que isso tem a ver com a leitura em Inglês, né? Simples: por ser uma língua tão dinâmica, ela é simples. Tem muita irregularidade? Tem. É diferente das línguas neo-latinas? É. Mas assim que você conseguir entender as estruturas das orações, você já está pronto para começar a ler, garanto. Os tempos verbais não precisam de seis terminações diferentes para cada pessoa do discurso, a sintaxe das orações é similar o suficiente do Português para trazer familiaridade e diferente o bastante para não ser o pesadelo gramatical que temos por aqui. Isso facilita muito uma leitura sem interrupções, leia-se: tirando o significado de termos desconhecidos só pelo contexto, sem precisar recorrer ao dicionário todo o tempo. Então, segundo conselho: NÃO TENHA MEDO. Sério, metade das pessoas se frustra com palavras desconhecidas e acaba desistindo antes de tentar de verdade. Desencanem do dicionário e ao invés de olhar para ele a cada duas frases, acumule palavras. A leitura fica mais rápida e divertida se você exercitar o seu Sherlock Holmes interior e deduzir significados.

Agora, finalmente, por qual livro começar a ler? Eu provavelmente não sou a melhor pessoa para falar a respeito porque eu comecei a ler em Inglês uns doze anos atrás na seção de Card Captor Sakura do Fanfiction.Net, mas! Pensei a respeito e tenho umas teorias legais.

A primeira é: leia um livro que você já conhece em Português. Prós: você já conhece a história, e só está lendo-a em outra língua. Já familiarizado com o enredo, a compreensão é mais fácil e as eventuais palavras desconhecidas são muito mais rápidas para entender. Contras: quando relemos um livro, tendemos a pular para nossas partes favoritas, ou a ler só os diálogos, pulando as narrações. Não adianta mentir, eu sei que você faz isso. Então, talvez a sua atenção na leitura acabe sendo diluída pela sensação de "ah, já estive aqui antes". Portanto, quem escolher essa opção, pegue pelo menos um livro que tenha bastante termo específico - tipo Harry Potter, que teve quase todos os neologismos do universo mágico traduzidos para o Português. Ajuda a manter o interesse na leitura.

A segunda é: leia um livro do seu estilo favorito. Não adianta pegar um livro da lista de best-sellers do New York Times para começar a ler em Inglês só por ser best-seller; se for uma história de um gênero que você não gosta, a leitura vai ser tão sacal em Inglês quanto seria em Português - e até pior, porque vai acumular sua frustração com o enredo mais a sua frustração com a língua diferente, e você vai acabar jogando o livro pela janela que nem aquela cena de "O Lado Bom da Vida".


Outra coisa. Eu aconselho sempre escolher, como primeiros livros em outra língua, histórias mais rápidas, de linguagem simples e direta. Seus livros favoritos são Épicos Fantásticos? Não comece lendo "O Senhor dos Anéis". É como tentar ensinar O Gato de Schrodinger para quem não sabe o que é Física Quântica: pode até entender o conceito, mas vai demorar mais do que se a pessoa tivesse alguma noção de Física Quântica antes, né.

E por fim, para quem não tem um gênero específico em mente e quer começar a ler, uma boa ideia é seguir a grade de livros clássicos da literatura inglesa e estadunidense. Alguns são antigos e têm linguagens mais complexas (tipo, Shakespeare original é como reaprender Inglês, sério), mas a maioria das leituras obrigatórias são ótimas para aprendizado.

Agora que já falei tudo que a Camila não precisava que eu dissesse, vamos às listas!

Livros Que Você Provavelmente Já Leu:

The Perks of Being a Wallflower
by Stephen Chbosky - Bandeira tremulante das histórias "coming-of-age". Não é longo, tem personagens cativantes e provavelmente vai acrescentar muito à sua vida.

The Book Thief
by Markus Zusak - Não acho que eu precise falar de como esse livro é lindo. Não vi muita diferença de ler em Inglês ou Português, porque a nossa tradução foi muito bem feita e manteve quase intacto o espírito da história. Linguagem simples e direta, apesar do livro ser longuinho.

The Godfather (Mario Puzo's Mafia)
by Mario Puzo - Todo mundo acha que O Poderoso Chefão é uma história super-complexa, com textos imensos e termos difíceis. Não é. É escrito de forma crua e direta, sem enrolação. Fácil de ler, difícil de largar e muito bom.

A Game of Thrones (A Song of Ice and Fire #1)
by G. R. R. Martin - Siiiiim. Apesar de extensa, a série do Martin tem uma linguagem bem direta, se comparada a qualquer coisa do Tolkien.

The Hunger Games (The Hunger Games #1)
by Suzanne Collins - A Collins é pragmática e direta na escrita dela. Garanto que a única preocupação em ler isso aqui é, sei lá, o risco de se afogar em sangue e tal. Aliás, boa parte dos termos usados nesse livro ficam beeeem melhores em Inglês, tipo Reaping e Quarter Quell.

The Lightning Thief (Percy Jackson and the Olympians #1)
by Rick Riordan - Coisas escritas em primeira pessoa são mais fáceis de ler. Junte isso ao humor despretensioso e ao coloquialismo do Riordan e você tem um livro bem simples de ler.

The Fault in Our Stars
by John Green - A história é linda e a linguagem é poética sem precisar de qualquer eruditismo. Só a composição metafórica do discurso do Green já vale à pena como primeira leitura em Inglês. Ele dá uma ótima primeira impressão.

The Princess Diaries (The Princess Diaries #1)
by Meg Cabot - Mais uma vez, primeira pessoa facilita leitura. O humor ininterrupto da Cabot facilita o resto.

Três Livros Por Gênero:


Young Adult


Ohoho, aqui a festa é boa. Tem zilhares de séries disponíveis, e mais surgem numa velocidade mais rápida do que as traduções nacionais conseguem alcançar. As que eu recomendo são:

Shadowland (The Mediator #1)
by Meg Cabot - Todas as YAs dela são muito mais engraçadas nos scripts originais. Indicando A Mediadora porque é o que a Cabot tem de melhor.

Twilight (Twilight, #1)
by Stephenie Meyer - Sim, sim, ninguém aguenta mais essa série, etc, etc. Não muda o fato de ser uma boa leitura introdutória; a Meyer pode não ser o Dostoiévski, mas isso não muda o fato da moça não cometer erros gramaticais e da história dela ser fácil de entender. (E, sinceramente, melhor ela do que qualquer coisa da L. J. Smith.)

The Golden Compass (His Dark Materials, #1)
by Philip Pullman - Uma das histórias mais interessantes que eu li na vida. Essa aqui é um tantinho mais complexa de ler do que as outras por ter alguns neologismos, mas isso não impede a leitura mesmo de iniciantes, okay?

Fantasia Urbana


Moon Called (Mercy Thompson, #1)
by Patricia Briggs - Correndo o risco de estar sendo repetitiva e enchendo o saco de todo mundo nesse blog, os livros da série Mercy Thompson são leitura obrigatória para todo mundo que gosta de Urban Fantasy. Como só tem em Inglês, tcharan! Oportunidades! É juntar a fome com a vontade de comer!

White Cat (Curse Workers #1)
by Holly Black - O sarcasmo da Black facilita a leitura de qualquer coisa, sinceramente. Tecnicamente isso aqui é YA, mas é que se eu for procurar Urban Fantasy que não seja YA a complexidade da leitura acaba aumentando.

American Gods (American Gods, #1)
by Neil Gaiman - Para falar a verdade, qualquer coisa do Gaiman é fácil de entender e sempre uma leitura cativante.

Fantasia Épica
Seguinte, aqui não tem como não complicar um teco da leitura, porque, ÉPICOS. Peguei os mais simples e curtos que pude pensar.

The Book of Three (The Chronicles of Prydain, #2)
by Lloyd Alexander - Engraçado, curto e com uma mitologia muito gostosa de acompanhar.

The Chronicles of Narnia (Chronicles of Narnia #1-7)
by C.S. Lewis - Acho que eu não preciso dizer nada, preciso?

The Hobbit (Middle-Earth Universe)
by J.R.R. Tolkien - Dos livros do Tolkien, o mais fácil de ler; afinal, foi escrito para crianças. Não é longo como Senhor dos Anéis, prometo.

Drama


Nicholas Sparks. Qualquer coisa dele. Desculpa, não leio muito do gênero.

Meus pensamentos sobre livros de drama explicados acima.

Romance/Chick Lit


Qualquer coisa da Nora Roberts e do Nicholas Sparks. Depende de qual estilo você gostar mais, mas ambos escrevem de forma bem direta. Mas, como eu prometi três:

Confessions of a Shopaholic (Shopaholic, #1)
by Sophie Kinsella - Leia o nome da autora. É isso aí.

Queen of Babble (Queen of Babble #1)
by Meg Cabot - Tenho certeza que já falei da Meg aqui.

[insira livro da Nora Roberts de sua preferência. Eu leria "O Testamento" - Montana Sky - ou "Doce Vingança" - Sweet Revenge.]

Literatura Inglesa Clássica:


Melhor do que eu colocar aqui uma lista é você clicar na lista de literatura clássica do GoodReads. Lá tem de tudo, de Charles Dickens a coletâneas de versos de Beawolf!

Pronto! Um conjuntinho delícia de listas e conselhos leigos! Se quiser ignorar tudo o que eu falei aqui e começar a ler em outra língua coisas do tipo "As Mil e Uma Noites - Coleção Completa" ou romances russos, be my guest! O que importa é não desistir da empreitada!

(Camila - a chefa - falando: coloquei os links dos livros que têm resenha no blog e quero dizer que eu acabei de ler meu primeiro livro em inglês e o escolhido foi The Power of Six, do Pittacus Lore, e eu achei bem simples. Não li em português antes, mas já conhecia o universo desde a leitura de Eu sou o número Quatro. Ler em inglês não é um bicho de sete cabeças, gente! =D)
(Ah! Quem já lê em inglês e quiser dar outras dicas e sugestões de livros é só escrever aí nos comentários!)

Nenhum comentário :

Postar um comentário