#218: Círculo – Trilogia Engelsfors I – Mats Strandberg e Sara Bergmark Elfgren

, em segunda-feira, 20 de janeiro de 2014 ,
Bookmark and Share

Editora: Intrínseca
Páginas: 416
Ano: 2013

Sinopse (Skoob):
Minoo sempre foi a melhor da turma, mas não consegue fazer amigos. Vanessa é a garota mais sexy do colégio e namora um cara bem mais velho. Linnéa tem pai alcoólatra e é malfalada na escola. Rebecka parece ter uma vida de contos de fadas, mas esconde de todos que tem um distúrbio alimentar. Anna-Karin sofre bullying e deseja ser invisível. Ida, apesar de popular, é detestada tanto pelos professores quanto pelos alunos. 
Elas não são amigas nem têm quase nada em comum, exceto o fato de frequentarem o mesmo colégio na cidadezinha sueca de Engelsfors. Quando uma lua vermelho-sangue surge no céu, as seis são atraídas por uma força misteriosa até um parque de diversões abandonado, onde descobrem que são as Escolhidas, um grupo de bruxas ligadas por uma antiga profecia, e que uma força terrível foi libertada. Diante de uma série de suicídios suspeitos, elas precisam se unir e aprender a usar suas habilidades mágicas recém-adquiridas se quiserem sobreviver. Juntas, formam um círculo poderoso, capaz de impedir uma profecia que anuncia o fim do mundo. Separadas, são caçadas por um inimigo misterioso que as persegue dentro e fora da escola.
Lançado em Novembro, é um sucesso editorial na Suécia, os direitos de publicação foram vendidos para 21 línguas diferentes e em 2012 a Random House publicou sua versão, no Reino Unido, intitulada “The Circle“. Uma adaptação cinematográfica já estava em pré-produção, mas problemas entre a produção e os autores fizeram-na não acontecer; atualmente, os direitos mudaram de produtora, e ainda há a possibilidade um filme baseado no romance ir às telonas.


Minoo, Anna-Karin, Vanessa, Ida e Linnéa estudam na mesma escola. Elas não são amigas, mal se conhecem e algumas até se odeiam, mas algo vai uni-las e elas precisarão se aproximar para se manterem vivas.
Uma noite, depois que um colega se suicida em um banheiro da escola, surge uma lua de sangue no céu de Engelsfors. Nem todos a veem, mas Minoo, Anna-Karin, Vanessa, Ida e Linnéa sim. Além de notarem a lua de cor diferente, elas são atraídas por ela até um parque de diversões abandonado. Lá as garotas encontram Nicolaus, o zelador da escola, que diz que elas são as Escolhidas e que se não se unirem logo, algo de muito ruim vai acontecer.
Apesar dos avisos e de todas terem tido sonhos estranhos, elas não dão muita atenção e vão embora cada uma para seu lado. Mas logo elas mudarão de ideia, assim que outra colega morrer, e terão que aprender a conviver e confiar umas nas outras mesmo que Minoo tenha um ar de intocável, Vanessa seja uma patricinha, Linnéa seja considerada uma párea da sociedade escolar, Ida seja líder do grupo de provocadoras e Anna-Karin tente sempre se passar por invisível.

Não sei bem como explicar Círculo. A narrativa é crua e bastante sóbria; crua no sentido de ser bem clara, não há floreios nos termos, e sóbria por ser direta e – apesar de praticamente dissecar os pensamentos das personagens – não muito emocional. Acho que posso usar a expressão “curto e grosso” para esse livro.
Há cenas que provavelmente me levariam às lágrimas se tivessem sido escritas com alguns floreios e linguagem mais poética, mas que nesse caso me deixaram pasma com o que estava acontecendo e pronto.
As personagens principais são extremamente humanas – e eu adorei ler um livro assim. Elas são adolescentes, elas têm problemas de adolescentes e o leitor praticamente mergulha na mente delas, pois o livro é narrado alternando o ponto de vista entre as cinco. Não é em primeira pessoa, mas cada trecho é contado da perspectiva de uma das garotas.
Apesar de adolescentes, não são chatas ou infantis. Em alguns momentos algumas delas são sim, mas é perfeitamente normal e cabível e encaixa na história direitinho. As garotas são bastante racionais até.
Já os personagens secundários não são tratados de forma aprofundada – talvez isso mude um pouco nos próximos volumes – e não dá para captá-los muito bem.
Das protagonistas eu só gosto mesmo de uma, a Minoo. As outras são legais e tal, mas gostar mesmo, só consigo gostar da Minoo. Acho que no fundo é com quem mais me identifico.
Enfim, não sei se consegui me fazer entender, mas é que não consigo realmente definir bem esse livro. Ele me ganhou, eu gostei muito da história, achei bastante interessante (encontrei pontos de semelhança com Harry Potter e Charmed ^^) e com certeza quero ver onde vai terminar tudo.

Nota: 4/5.


P.S.: Eu até usei o google translate para tentar aprender as pronúncias de algumas expressões, mas desisti logo porque sueco é muito difícil! rsrs


Nenhum comentário :

Postar um comentário