#210: Mentiras Genuínas - Nora Roberts

, em quinta-feira, 12 de dezembro de 2013 ,
Bookmark and Share

Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 630
Ano: 2013

Sinopse (Skoob):
Com quase 680 milhões de exemplares vendidos no mundo, traduzidos para mais de quarenta idiomas, em que, somados, permaneceram quase mil semanas na lista de mais vendidos do The New York Times, Nora Roberts apresenta um de seus maiores sucessos: Mentiras Genuínas. Eve Benedict fez de quase tudo na vida. Foi uma das maiores atrizes da história de Hollywood, ganhou dois Oscar e um Tony, teve quatro maridos e uma legião de amantes. Sua beleza é estonteante, seu poder, inigualável. Não há segredo ou mentira de Hollywood que ela não conheça. Após cinquenta anos sob os holofotes, ela quer passar sua vida para o papel. Mas todos estão a seus pés, implorando para que ela não faça isso. Até que ponto a renomada biógrafa Julia Summers estará disposta a arriscar a própria vida pelos segredos de outra mulher? Mentiras genuínas traz uma história eletrizante de suspense, intriga e romance. Para isso, Nora Roberts criou um cenário vívido de Hollywood, centro cinematográfico mais importante do mundo, onde muitos mistérios pairam no ar. No fim, por meio de muitas reviravoltas, o leitor terminará o sem acreditar no desfecho. 


“... Minha vida tem sido uma colcha de retalhos de eventos e personalidades. Todas aquelas espertas meias-verdades, mentiras genuínas, alinhavando-se para formar uma interessante colcha, cruzando-se, interligando-se. O interessante é que quando você puxa uma linha, a estampa inteira se altera. Até mesmo o bem que você faz tem consequências, Nina. Estou pronta para encará-las.”
(Eve, p. 156-157)

Eve Benedict tem 60 e poucos anos e resolveu que é hora de contar sua história para o mundo. Ela é uma atriz famosa e todos conhecem o aspecto público de sua vida, mas ela tem muitos segredos só dela e de outros artistas e figurões e resolveu que é chegado o momento de esclarecê-los e acabar com todas as mentiras que eles possam ter gerado.
Para isso, ela recruta Julia Summers, biógrafa que já escreveu biografias de outros artistas. O acordo é Julia morar pelo tempo que for necessário na casa dela e entrevistar a própria Eve e todos que a rodeiam e que ela citar.
Assim, Julia deixa sua casa em Connecticut e se muda para a casa de hóspedes de Eve com o filho Brandon, de dez anos.
Conviver e escutar as histórias de Eve não é exatamente fácil, mas é interessante, surpreendente e fascinante. Além de tentar não se envolver muito, Julia precisa não julgar, pois não é para isso que ela foi contratada, porém não é fácil manter uma distância profissional de uma mulher tão envolvente.
É difícil também, para Julia, ficar longe de Paul Winthrop, enteado de Eve e escritor de ficção de mistério. Ele provoca Julia assim que a conhece, pois não aceita o novo projeto em que a primeira mulher de sua vida se engaja. Porém, não aprovar o projeto não significa que ele não aprove a escritora. Julia o atrai desde o primeiro instante.
Paul percebe logo que ela não será fácil de conquistar e ele ainda precisa pensar em Brando, já que ele mesmo foi uma criança criada sem a figura de um dos pais um dia e Paul sabe que nem todos que se aproximam de seu pai são confiáveis.

Romance, mistérios e uma teia cheia de segredos e mentiras cuidadosamente cultivadas ao longo de anos, é disso que se trata Mentiras Genuínas.
Fazendo uma analogia com o Sistema Solar: Eve é o Sol e todos os outros personagens orbitam ao redor dela. Julia e Paul são protagonistas, mas mesmo suas escolhas e atitudes estão de alguma forma ligadas à Eve.
Todos os personagens são densos e bem caracterizados, cada um com seus passados turbulentos ou não. As protagonistas em uma palavra: Eve é envolvente e Julia é forte. O jeito de ser delas torna interessante o diálogo entre ambas, pois Eve não tem papas na língua e exacerba suas emoções enquanto Julia se mantém focada e excessivamente controlada.
O livro é ótimo, mas o final poderia tem mais um capítulo ou um epílogo para deixar tudo claro sem tanta correria. Tudo bem, eu sempre quero epílogos nos livros da Nora. Apesar de corrido, adorei como ela fechou a história bem redondinha. Eu até consegui suspeitar da pessoa certa pouco antes de desvendar tudo. (Adoro descobrir o culpado tanto quanto não descobrir. rsrs)
Se eu indico? É claro!

Nota: 4,8/5.


P.S.: Esse livro é individual. ;)

Nenhum comentário :

Postar um comentário