#202: O Testamento - Nora Roberts

, em sexta-feira, 22 de novembro de 2013 ,
Bookmark and Share

Editora: Bertrand Brasil
Páginas: 532
Ano: 1998

Sinopse (Skoob):
Jack Mercy que, quando morreu, deixou inúmeros inimigos - e uma fazenda de vinte milhões de dólares. Agora, suas três filhas - cada uma nascida de um casamento diferente, e desconhecendo a existência das outras - estão reunidas para a leitura do testamento. E acabam ficando chocadas ao saber que terão de conviver na Fazenda Mercy durante um ano. São irmãs e estranhas. Têm um desafio pela frente - deixar de lado as diferenças, viver como uma família e compartilhar mundos diferentes num local deslumbrante, isolado - e misteriosamente violento chamado Montana. O Testamento, narrativa repleta de suspense, intensidade emocional e paixão, é mais um sucesso de Nora Roberts, lançado pela Bertrand Brasil. A morte de Jack Mercy, homem que notabilizou-se por fazer mais inimigos ao longo da vida do que qualquer outra coisa, provoca um impasse para suas três filhas, cada qual de um casamento e totalmente estranhas entre si. Jack deixa expresso em testamento uma condição para que elas possam receber a herança que cabe a cada uma: Willa, Lily e Tess serão obrigadas a viver sob o mesmo teto, como uma autêntica família, na Fazenda Mercy. Isolada, bonita e misteriosamente violenta, a fazenda tornar-se-á palco de ressentimentos, crimes, amor, surpresas e angústias para as três herdeiras. O grande desafio para essas três mulheres será deixar a amargura de lado e conviver em harmonia. Notabilizada pela crítica especializada como a nova mestra do suspense, Nora Roberts, com O Testamento, seu centésimo romance, atingiu no lançamento a marca de 150 mil exemplares vendidos nos Estados Unidos. 


Tudo começa com a morte de Jack Mercy. O homem era um excelente fazendeiro – apesar de cheio de manias -, mas um péssimo pai de família. Das três filhas que teve, Tess, Lily e Willa, apenas a última ficou com ele, provavelmente porque sua mãe morreu antes de sequer pensar em se separar de Jack.
Como o controlador-manipulador que Jack sempre foi, seu testamento não poderia ser diferente. Sua exigência principal é que as três irmãs, que nem se conheciam, convivam juntas por um ano na Fazenda Mercy. A situação não poderia ser pior: Tess é roteirista em Hollywood, Lily está fugindo de um marido abusivo e Willa sempre foi um cowboy.
Claramente as irmãs não se dão bem de cara. Tess quase desiste do desafio e só fica após saber o valor de sua parte na fazenda. Lily aceita logo ficar, pois não tem mesmo para onde ir e não quer prejudicar a mais nova. Willa aceita as irmãs na casa, mas está determinada a fazê-las trabalharem, mesmo que isso seja difícil.
Além das irmãs, Willa é obrigada a conviver de forma mais próxima com Ben McKinnon, seu vizinho e dono da fazenda Tree Rocks. Jack uma vez tentou unir Willa e Ben em casamento oferecendo um dote para a filha, mas o vizinho não aceitou, o que deixou Willa bem chateada – só não fica claro o motivo dela não ter gostado.
Há ainda Adam, meio-irmão de Willa, que cuida dos cavalos da Fazenda Mercy e para quem Jack não deixa nada, apesar de ele trabalhar na fazenda desde a infância. E Nate, advogado da família e amigo de Willa.
Para completar o quadro, animais começam a aparecer mortos – degolados e estripados – e a ameaça se mostra diretamente contra a Fazenda Mercy e seus moradores.
Será muito para Willa e as outras irmãs Mercy lidarem? Descubram lendo O Testamento.

Eu gosto tanto desse livro que já devo tê-lo lido pelo menos umas cinco vezes e já vi o filme feito para TV outras tantas que perdi a conta. Basicamente, esse é o meu livro preferido da Nora dentre os individuais.
As irmãs Mercy são completamente opostas e ainda assim se complementam. Apesar de nunca terem convivido, elas vão se entendendo com o tempo e terminam se unindo, primeiro pelos problemas e depois pelo verdadeiro sentimento de irmandade.
Os rapazes são encantadores cada um a seu jeito e são fortes sem deixar as mulheres fracas sendo machões. Os três são cowboys então vocês podem imaginar que eles sentem profundamente que devem proteger as mulheres, mas elas não se deixam domar e mostram sua força também.
O mistério é na medida e contrabalanceado com comédia e romance. Nora sabe, como ninguém, dosar os climas em seus livros e esse – que enfoca na família – é exatamente sobre uma família com assassinatos o suficiente para apimentar a história sem transformá-la em um romance policial.
Ai! Nem sei mais o que falar, todos que acompanham o blog sabem que eu sou super fã da Nora e sempre indico ela.


Nota: 5/5 – favoritíssimo!

Nenhum comentário :

Postar um comentário