#183: Fale! - Laurie Halse Anderson

, em segunda-feira, 9 de setembro de 2013 ,
Bookmark and Share

Editora: Valentina
Páginas: 248
Ano: 2013

Sinopse (Skoob):
“Fale sobre você... Queremos saber o que tem a dizer.” Desde o primeiro momento, quando começou a estudar no colégio Merryweather, Melinda sabia que isso não passava de uma mentira deslavada, uma típica farsa encenada para os calouros. Os poucos amigos que tinha, ela perdeu ou vai perder, acabou isolada e jogada para escanteio. O que não é de admirar, afinal, a garota ligou para a polícia, destruiu a tradicional festinha que os veteranos promovem para comemorar a chegada das férias e, de quebra, mandou vários colegas para a cadeia.
E agora ninguém mais quer saber dela, nem ao menos lhe dirigem a palavra - insultos e deboches, sim - ou lhe dedicam alguns minutos de atenção, com duvidosas exceções. Com o passar dos dias, Melinda vai murchando como uma planta sem água e emudece. Está tão só e tão fragilizada que não tem mais forças para reagir.
Finalmente encontra abrigo nas aulas de arte, e será por meio de seu projeto artístico que tentará retomar a vida e enfrentar seus demônios: o que, de fato, ocorreu naquela maldita festa?


Fale! é um livro atordoante, mas lindo! Desses que devem ser lidos por todos a partir dos 12 anos de idade, considerando que hoje em dia muitas crianças – sim, quem tem 12 anos ainda é criança – começam a namorar com essa idade ou até antes. (Onde a infância foi parar?)
Os jovens devem ler para saberem e serem incentivados a não se calar ao sofrerem agressões, sejam verbais ou físicas. Devemos lutar contra o bulling, a agressão sexual, a agressão física e o que mais nos fere. Mas para isso é preciso coragem e, as vezes, o trauma é grande demais para conseguirmos falar sobre – é o que acontece com Melinda, a protagonista do livro.
Melinda passa um ano sofrendo calada, sem que ninguém, ninguém mesmo, saiba o que ela passou. Em casa, os pais só trabalham ou brigam e não entendem porque a filha está calada, mas também não tentam descobrir o motivo. Na escola, os demais alunos do primeiro ano do ensino médio – da mesma idade e turma da Melinda – ignoram ou desprezam a garota porque ela chamou a polícia durante uma festa de um dos veteranos nas férias, mas ninguém se interessou em saber porque. E os professores, diretor e orientadores não percebem que Melinda não está bem, para eles ela é apenas uma aluna calada. Tirando o prof. Freeman.
É para agir como ou melhor que o prof. Freeman que adultos deveriam ler Fale!. Ele é o único que mostra mais interesse nos alunos e, como professor de arte, os incentiva a se expressar. É a aula dele que Melinda mais gosta e mais se esforça para cumprir as tarefas. O prof. Freeman não sabe o que aconteceu com ela, mas dá para notar que ele percebe que ela não está bem e que ele quer ajuda-la, escutá-la.
Fale! é um ano na vida de Melinda. Um ano em que ela pouco fala, vai mal na escola, perde todos os amigos ou quase, mas se redescobre, cresce e aprende a se defender e a falar. Basta que alguém a escute.
Além da história de Melinda, há textos da própria autora falando sobre a repercussão do livro e uma entrevista sobre como foi escrevê-lo.
Eu vou emprestar o livro para as minha primas. Faço questão que elas leiam e saibam que terão onde se apoiar caso (Deus nos livre e guarde!) algo aconteça com elas. E também para que elas saibam que não devem se calar. =)
Quero também assistir ao filme O silêncio de Melinda, que a própria Laurie afirma que ficou bem fiel.

E só para não deixar de falar: a capa ficou lindíssima e tem t-u-d-o a ver com a história. E o trabalho de edição está maravilhoso como sempre. Valentina caprichou mais uma vez.

Nota: 5/5.

Nenhum comentário :

Postar um comentário