Em Cartaz #08: Happy Feet 2

, em quinta-feira, 29 de dezembro de 2011 ,
Bookmark and Share

E desta vez, venho falar do filme: Happy Feet 2.
Confesso que não iria assistir ao filme se não tivesse assistido ao trailer quando fui assistir “O Rei Leão – 3D”. O filme me chamou a atenção pelo fato do 3D ser EXPLENDIDO.
Claro, como sempre há aquele preconceito por parte das pessoas de não irem assistir o filme, simplesmente pelo fato de ser “infantil”, pinguins dançando e cantando e outra porção de preconceitos.


O filme é a continuação de Happy Feet 1, agora com Erik (coisa mais fofa desse mundo), filho de Mano com Glória (Apesar de não ter assistido o primeiro filme, não senti dificuldades para a compreensão deste).
O filhote de Mano não sabe dançar e não entende o motivo de que todos precisem dançar para se “divertir”. Depois de uma tentativa fracassada de Mano tentar ajudar seu filho a dançar, o pinguin resolve sair do bando junto com seus amigos Atticus e Boadiceia atrás de Ramon, o pinguin latino (que por sinal, muito engraçado =P) que também resolve se afastar do bando pois não encontrava sua parceira.

Embarcados nessa aventura eles encontram outro bando de pinguins, que possuíam uma atração bem intrigante: Sven, um pinguin que voa. Sim, isso mesmo, um “pinguin voador”. Todos o amavam, o tratavam como um deus. Depois de todo um espetáculo, Mano encontra seu filho e eles voltam para a terra dos Imperadores.
Nesta viagem de volta para casa, os pinguins aventureiros encontram vários obstáculos e dificuldades que deixam o filme bem emocionante.

Neste filme temos “as aventuras dos krills”, dois krills (camarões) que se saem de seu bando e saem no mar em busca de serem diferentes, esta idéia encabeçada por Will e seu amigo, Bill, o acompanha nesta aventura bem divertida. Will deseja que eles avancem na cadeia alimentar e se torne “carnívoros” (risos). Nisto eles mencionam a “seleção natural”, “adaptação”, e outros conceitos biológicos que deixaram o filme um tanto educativo.

Quando a Terra dos Imperadores é invadida por um ice Berg, o bando fica aprisionado e impossibilitado de qualquer saída. Mano se ver incapaz de ajudar seus amigos, até que se lembra de que "quando se ajuda alguém, sempre pode recorrer a esse alguém...."

Eu assistindo o filme me recordei de dois filmes de animação que são alguns dos meus favoritos: Procurando Nemo e Rei Leão II. Claro, uma essência, mas o filme possuí sua originalidade.
A trilha sonora é algo de destaque: músicas bem selecionadas e na voz de Glória temos Pink cantando, a cantora possuí uma voz incrível e foi uma escolha excelente.
Tenho lido algumas críticas e muitos não gostaram do filme, e tudo por que há uma intercalação de músicas em versões em inglês e português.
Eu não vi o por que disso tudo, já que nas partes em que as músicas em português são as que correspondiam a músicas DO FILME, e as outras eram versões de músicas americanas e que se houvesse a tradução não cairia tão bem. Creio que se tivessem colocado pelo menos a legenda nas partes em inglês ajudaria um pouco. Mas como se trata de um filme “infantil”, acho que eles optaram por não colocar.
A música “Bridge Of Light” cantada por Pink é belíssima e na versão em português “Ponte de Luz”, não deixou a desejar onde passa uma emoção incrível.

O 3D é algo que nem se explica...
Neve, água, gelo, e os krills que são a parte mais fascinante. Eles se projetam completamente para fora da tela e algumas vezes até se tem alguns “sustos” de tão perto que eles ficam ^^
O filme soube trabalhar bem o recurso e pra mim é nota 1000!

Uma mistura de aventura, comédia, emoção, e criatividade fazem do filme o melhor de animação deste ano. Espero que levem o Oscar de melhor animação, pois merecem MUITO!
Vale a pena conferir o filme, onde a lição de cooperação e “família” sobressaem à imagem que se tem sobre “filme infantil”.

- “Se você quer, precisa desejar. E o que desejar será seu”
Sven

@andisharry

Nenhum comentário :

Postar um comentário